Sobre Mudar


Fiquei longe daqui por um bom tempo, porque sentia que blogar não era mais pra mim. Apesar de ser uma terapia incrível escrever meus sentimentos e compartilhar com as pessoas, eu tornei isso uma obrigação e aí é que passou a ser sufocante.
O fato é que nesse tempo eu mudei. É estranho afirmar isso porque se torna real, mas já era tão real e eu só percebi agora. E sinceramente, isso foi incrível. Não foi inconsciente, porque eu busquei isso, por mim. Mas foi gradativo e algumas vezes frustante.
Passei por uma fase ruim, de autoestima baixa, hábitos ruins e pensamentos ruins. Eu tinha plena consciência disso e do quanto estava me destruindo aos poucos, mas a verdade é que eu tinha  medo de mudar, de sair da minha zona de conforto e de deixar de "ser eu".
Não sei quando foi, mas em um certo momento eu comecei a mudar meus hábitos, a fazer o que me dava paz, e aprendi a me sentir plena e leve
Talvez depois eu entre em detalhes sobre como isso tudo aconteceu, mas nesse texto eu quero deixar uma coisa clara: Se você tem o desejo ou a necessidade de mudar algo em você, não ache que isso é impossível, e nem que vai acontecer da noite pro dia. A mudança é um processo lento e gradativo, e requer paciência. Não ache que só porque você quer, de hoje para amanhã você vai deixar de ser uma pessoa estressada e vai passar a ser calma, porque você não vai. Mas você pode hoje mesmo ter um momento só seu, com coisas que você goste, você pode apreciar este momento, e assim, calmamente, você pode fazer mini coisas no seu dia que te aproximem do seu objetivo.

Quero também dizer que vou tentar voltar com o blog e postar com mais frequência, mas sem compromisso, ok? Quero torná-lo um lugar meu, em que eu possa me expressar. E é isso.
Beijos, e paz!

5 motivos para se orgulhar de ser mulher

Diana Simumpande


O post de hoje era pra ser totalmente diferente, mas como hoje é um dia bem especial, resolvi fazer
esse post temático, então vamos lá.

 Desde que começamos a entender as coisas, a sociedade te diz que ser mulher é um fardo, e faz isso ser. Tentam fazer com que as mulheres se sintam inseguras porque é ai que eles lucram. Nos dizem que somos incapazes, e ditam o que devemos fazer na esperança de que obedeçamos. Meu bem, ser mulher não é ruim não, muito pelo contrário, é maravilhoso.

 1 - Somos a própria força da natureza.

 Você já ouviu aquela expressão "mãe natureza"? Pois é meu bem. Guria, pensa só, nós somos o início da vida. Sem nós, não existiriam 7 bilhões de pessoas no mundo, porque mesmo que sejamos injustiçadas, sem nós não existiriam tantas pessoas. Imagina só um mundo só de homens. Não existiria, porque não teria quem os gerasse. Ou seja, nós somos a própria força da natureza. Aliás, em certas crenças antigas, as mulheres eram deusas, pois só elas tinham o dom de gerar, os homens serviam apenas para procriar. Irônico, não?

Documentários para ver na Netflix



Que eu amo documentários não é novidade pra ninguém, e os meus preeridos são os históricos, com conteúdos sociais, e biográficos. Então, nada mais que justo compartilhar com vocês os que eu mais gostei de ver, até porque não é tão fácil achar bons documentários por aí, então se liga só...

P.S: É só ativar a legenda dos vídeos, viu?

What Happened, Miss Simone?



Sinopse: A vida da cantora, pianista e ativista Nina Simone (1933-2003). Usando gravações inéditas, imagens raras, diários, cartas e entrevistas com pessoas próximas a ela, o documentário faz um retrato de uma das artistas mais incompreendidas de todos os tempos. (Fonte: adorocinema.com)

O documentário relata a luta contra o preconceito racial, e a liberdade de expressão. E vemos também um nome muito conhecido que é citado muitas vezes durante o documentário: "Martin Luther King". É um documentário muito bom, com relatos chocantes.

Sobre a felicidade...


Vejo tanta gente andando por aí, de cabeça baixa, arrastando-se, sem um pingo de motivação...Me sinto mal por elas. Queria poder lhes dizer que a motivação de viver está em simplesmente acordar, e poder se sentir grato por estar respirando, se sentir grato por ter tido um lugar para dormir. 

 Já vi gente que tinha tão pouco mas sentia como se tivesse tudo, e gente que tinha tudo se sentindo como se tivesse nada, a vida é uma verdadeira antítese, e posso afirmar, o problema do ser humano está no exibicionismo, acham que para serem felizes precisam do último lançamento de celular, um carro importado e coisas caras, e essas pessoas, que cobiçam o material, procuram desesperadamente pela felicidade, achando que o material pode suprir o vazio sentimental.

 Mas a felicidade está no coração de quem consegue enxergar o mundo com simplicidade, que sabe que tudo o que precisamos vem de nós mesmos e da nossa família, que tudo o que precisamos é um sorriso no rosto e peito aberto para abraçar quem vier de boa fé.

 É fato, de que os que menos têm, algumas vezes são os mais ricos.

Um conselho de um desconhecido

Foto por : Marvin Meyer


Meu pai tem uma mania muito louca, de conversar com toda e qualquer pessoa que ele encontre na rua. Uma dessas vezes, nós fomos na praia para ver o pôr do sol (você pode ver as fotos no meu Instagram. Se quiser me segue lá.), e ele como estava com dor nos joelhos não subiu o morro junto comigo e com a minha mãe, então nós duas fomos ver o sol lá de cima, e ele ficou lá na orla.

Quando voltamos, meu pai estava conversando com um casal. Um casal bem diferente do que eu estava acostumada a ver, a menina nos disse que morava em São Paulo, e que trabalhava com esportes. E o cara nos disse que era ator. Ela era toda tatuada, muito simpática e sorridente, assim como o homem, muito inteligente. Nós conversamos com eles por mais de meia hora, até entramos no assunto sobre simpatia e conversas. Meu pai disse a ele que ao contrário dele, eu era muito tímida. O homem então me perguntou "você liga para o que as pessoas acham de você?", eu automaticamente respondi: "Não, só tenho vergonha mesmo." Ai ele me disse " Vergonha é o medo do que as pessoas vão achar de você se você fizer tal coisa." Essa frase me fez pensar por dias, e então eu percebi que era realmente isso, eu deixava de falar com certas pessoas, sobre certas coisas por medo de errar, deixava de levantar  a mão na sala de aula por medo de errar a resposta e ser ridicularizada. E o pior é que eu fazia tudo isso inconscientemente.